E. M. Profª. Efantina de Quadros

Vencendo desafios, acreditando no futuro!

Este blog é destinado à postagens de eventos, projetos e atividades realizados por esta unidade escolar e seus membros.

terça-feira, 6 de março de 2018


HISTÓRIA DE VIDA DA PROFESSORA EFANTINA DE QUADROS





A senhora Efantina de Quadros nasceu em Ribeirão Preto, onde morou até o ano de 1942, quando se mudou para a capital paulista, ali se casando com o senhor Jairo de Quadros, em 07 de Junho de 1947, e ali tendo seus dois primeiros filho.
Em 17 de dezembro de 1955, quando seu primeiro filho completava 07 anos, chegou ao rincão mato-grossense, após exaustivos dias de transporte, via barcaça, nas águas do Rio Paraná, aportando no Porto Primavera e, ato contínuo, dirigindo-se com sua família para a Fazenda Primavera, onde passou a residir.
Em fevereiro de 1956, ingressou no magistério, lecionando na Escola Rural da Fazenda Primavera, escola esta municipal, já que Nova Andradina e Região do Vale do Ivinhema pertenciam ao município de Bataguassu. No exercício do magistério naquela fazenda, revolucionou todo o sistema de ensino à época bastante retrógrado e arcaico. Para tanto, teve que usar de todos os meios e recursos possíveis para motivar o aluno a estudar e a gostar da escola, entre eles introduziu o boletim escolar com as médias mensais; e como avaliação: testes escritos e observação constante na participação do aluno.
Em fevereiro de 1958, mudou-se para o distrito de Nova Andradina, onde passou a morar na terceira casa construída até então. Seu marido passou a administrar a fundação da Cidade que nascia. A ela foi dada pelo senhor Antônio Joaquim de Moura Andrade a incumbência de estruturar, montar e fazer funcionar a primeira escola da cidade.
Onde conseguiu os alunos?
Saiu em busca destes na zona rural e apesar das precárias condições para locomoção casa/escola – escola/casa conseguiu implantar o ensino no vilarejo com 89 alunos, de diversos níveis, 1ª, 2ª e 3ª séries. Tinha antão alunos em um barracão da Firma Ferreira de Souza (misto de depósito e escola) e, com o passar do tempo, foi tendo em suas melhores alunas suas auxiliares, criando desta arte o primeiro corpo doente de Nova Andradina. Foi a primeira Professora do distrito de Nova Andradina – MS.
Em 1959, foi criado o grupo Escolar Antônio Joaquim de Moura Andrade (originário da Escola mista de Nova Andradina), e foi seu primeiro cargo de diretora, cargo que ocupou até 1963, quando, então se mudou com a família para Dourados, cidade que aprendeu a amar e que desejou ser inquilina para o sempre como se efetivou.
Em Dourados, quando chegou, as condições de ensino não eram tão diferentes das que já tinha conhecido e passou a lecionar então no colégio Osvaldo Cruz e Presidente Vargas, nos períodos diurno e noturno (quando havia luz), as disciplinas de Matemática, História do Brasil e História Geral.
Advindo a disciplina Educação Moral e Cívica no currículo escolar e sendo o Colégio Osvaldo Cruz o primeiro a ministrar essa disciplina, foi a primeira professora a leciona-la em Dourados.
Em 1972 fez o curso de treinamento e depois foi monitora do curso Bola de Neve (curso sobre a Reforma de Ensino): Lei 5.692. Participou da realização de todos os cursos na cidade de Dourados/MS.
Mesmo tendo se aposentado, continuou no magistério no Colégio Presidente Vargas, onde foi muito respeitada por sua forma de agir, pelo companheirismo que sempre se adornou, sendo conselheira das professoras mais nova e muito querida por seus alunos.
Foi uma das professoras mais antigas do Colégio Presidente Vargas e poderia hoje se orgulhar de ter feito a base de muitos profissionais, políticos professores e empresários, de nossa Nova Andradina e Dourados. Era comum vê-la passar em frente de escritórios, consultórios e observar: “Esse foi meu aluninho” (termo carinhoso que usava).
Desde os tempos idos o magistério não pode ser visto apenas como profissão e, sim uma outorga de idealismo, dedicação, abnegação. Muitas vezes não existe o reconhecimento financeiro pelo trabalho prestado e o reconhecimento moral e humano é muitas vezes estereotipado. Mas, a professora Efantina de Quadros, dedicou toda sua vida na arte de ensinar, de preparar  “seus aluninhos” para a vida estudantil, muitas vezes, em detrimento de seus próprios filhos e marido que nunca deixaram de incentivá-la e cujos filhos e antigos alunos a tem como imagem para seguir lutando por dias melhores.
Efantina de Quadros deixará para todo o sempre na cidade de Dourados e Nova Andradina, assim como no solo destas, uma semente que produziu e produzirá bons frutos e, a professora, a mulher, a mãe, a esposa, a amiga, continuará sempre ao nosso lado com sua ajuda e a luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, a nos iluminar.
Desde a sua inauguração a Escola Municipal Professora Efantina de Quadros e até o ano de 2016 teve na direção a professora Mara Ivâne de Oliveira Costa. No decorrente ano assumiu a direção o professor Marcos Eduardo Carneiro e como diretora adjunta a professora Valdirene Caceres Menezes Pereira. A Unidade foi construída inicialmente para atender a demanda do bairro Durval Andrade filho, mas hoje atende alunos de todos os lugares da cidade e da zona rural. A escola foi construída no mandado do prefeito Roberto Hashioka Soler em 2004 sob o comando do então Secretário de Educação Luiz Carlos Sampaio e inaugurada no mesmo ano em 08 de Março, data esta considerada como sendo aniversário da escola.
Inicialmente a escola contava com dois pavilhões com três salas de aulas cada e um pavilhão administrativo. Em 2006 a escola foi ampliada, onde construiu-se mais dois pavilhões ficando a escola com doze salas de aula e também foi construído o refeitório e um pátio coberto. Em 2005 a quadra poliesportiva foi coberta tendo suas arquibancadas construídas em 2008. Em 2012 foram construídas as salas de reforço e sala multifuncional. Atualmente a escola atende aproximadamente um total de 850 aluno e oferece o Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos – Fundamental, bem como atendimento em Sala de Multimeios (Recurso).



Nenhum comentário:

Postar um comentário